PRESS RELEASE: África e Brasil unem esforços para expandir rede de proteção social com sustentabilidade

Dacar, Senegal, 8 de abril de 2015 – Conforme nos aproximamos da adoção dos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável globais, no segundo semestre deste ano, 13 países africanos e o Brasil reúnem-se para partilhar experiências sobre a proteção social, com ênfase em assegurar que os pobres africanos não fiquem para trás nos esforços em direção ao crescimento econômico e tenham os meios necessários para enfrentar choques e crises.

“Devemos assumir a responsabilidade moral de empregar políticas e instrumentos que sejam comprovadamente eficazes no combate à pobreza, abordando vulnerabilidades e aumentando a resiliência das pessoas contra choques futuros”, disse hoje em Dacar, Senegal, a Senhora Ruby Sandhu-Rojon, Diretora-Adjunta do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). A fala completa está disponível aqui.

“Medidas de proteção social ancoradas nos direitos humanos e no desenvolvimento social, económico e ambiental sustentável têm o poder de aliviar a pobreza, aumentar a resiliência das classes médias africanas e impulsionar a transformação do continente.”

A Senhora Sandhu-Rojon discursou na abertura do Seminário Internacional sobre Proteção Social na África, uma iniciativa de cooperação sul-sul organizada em parceria com a União Africana, os governos do Brasil e do Senegal, o Instituto Lula e o PNUD, incluindo seu Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro RIO+). Consulte a agenda do evento aqui.

Apesar do acelerado crescimento económico da última década na África, o processo de crescimento não beneficiou as populações mais pobres e as desigualdades persistem em todo o continente. A abrangência da proteção social continua muito baixa. Apenas 20% das pessoas mais pobres, cerca de 44 milhões, têm acesso à proteção social por meio de intervenções específicas na saúde, nutrição e transferência de dinheiro.

Se colocados em prática, os investimentos na proteção social, como parte de uma agenda de desenvolvimento sustentável mais abrangente, contribuirão para melhorar as vidas de mais 370 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza de 1,25 dólares por dia.

“Os países africanos estão promovendo progressos nas suas políticas de proteção social, mas uma abordagem que englobe todo o ciclo de vida das pessoas e trate da vulnerabilidade nas diferentes fases da vida – desde os bebês aos idosos – é fundamental para alcançarmos a nossa visão de prosperidade, onde a vida de cada um dos africanos é importante”, diz o Doutor Mustapha Sidiki Kaloko, Comissário para os Assuntos Sociais da Comissão da União Africana.

O seminário de dois dias serve como plataforma para que os países africanos troquem experiências com o Brasil, cujo programa de transferência condicional de renda, o Bolsa Família, tem ajudado a tirar milhões de pessoas da pobreza, bem como a promover a saúde e a educação e a reduzir significativamente os níveis de desigualdade. O Seminário também irá analisar formas de financiar iniciativas de proteção social de forma sustentável.

“Estamos reunidos aqui para partilhar as nossas experiências e mostrar a nossa solidariedade com os países africanos para promover um acesso equitativo à proteção social e contribuir com soluções práticas nesse sentido”, disse Márcia Lopes, ex-Ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome no Brasil, que agora trabalha com o Instituto Lula.

Enquanto países como Etiópia, Gana, Quênia, Lesoto e Maurícia adotaram políticas e programas de proteção social, tais como alimentação escolar direcionada e transferência de renda, vários outros países ainda enfrentam desafios consideráveis referentes à formulação e implementação de medidas de proteção social.

Fraquezas estruturais, tais como a baixa cobertura, frágil focalização, coordenação e capacidade de implementação, e a incapacidade de expandir os projetos para além da fase piloto são alguns dos obstáculos que ainda persistem. O limitado financiamento doméstico para assegurar a sustentabilidade das medidas de proteção social também representa um desafio.

As recomendações do Seminário sobre como promover um acesso equitativo à proteção social, de uma forma disseminável e sustentável, serão apresentadas na reunião interministerial da União Africana sobre desenvolvimento social, trabalho e emprego, no final deste mês, em Adis Abeba, Etiópia.

Para mais informações ou entrevistas, entre em contacto com:

Ngone Sow, Analista de Comunicações, UNDP Senegal, +221 77569 9605; ngone.sow@undp.org

Johan Lodewyk Strijdom, Diretor de Bem-Estar Social, União Africana; strijdomj@africa-union.org

José Alberto Gonçalves Pereira, Consultor de Comunicações, Centro RIO+, PNUD, Rio de Janeiro, Brazil; +55 21 37334133, +55 21 99114-1154; alberto.pereira@undp.org; www.riopluscentre.org

Sandra Macharia, Consultora de Comunicações do PNUD, +221 770984645; sandra.macharia@undp.org

Assista o webcast do seminário no link: http://ow.ly/Lj3Vg

Siga o Seminário Internacional sobre Proteção Social na África no Twitter @UNDPAfrica, @PNUD_FR, PNUDSenegal, @UNDP_RSCA, @RioPlusCentre and @CGFome

Hashtags:
Inglês: #socialprotection #Africa
Francês: #protectionsociale e #Afrique
Português: #proteçãosocial e #África

RioPlusUNDP Senegal  Instituto Lula Brasil AU

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: